O que é um Geoparque Mundial da UNESCO

O que é um Geoparque Mundial da UNESCO

Você sabe o que são Geoparques?

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) é uma agência especializada das Nações Unidas (ONU) que busca construir a paz por meio da cooperação internacional em Educação, Ciências e Cultura. Para isso, são realizadas atividades culturais que visam a proteção do patrimônio cultural, o estímulo da criação e da criatividade e a preservação das entidades culturais e tradições orais, assim como a promoção de livros e da leitura. Os programas da UNESCO contribuem para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável definidos na Agenda 2030, adotada pela Assembleia Geral da ONU em 2015.

 

Os Geoparques são territórios de um ou mais municípios, reconhecidos pela UNESCO como regiões que possuem importância científica, cultural, paisagística, geológica, arqueológica, paleontológica e histórica. Nesses locais a “Memória da Terra” é preservada e utilizada de forma sustentável para gerar desenvolvimento para a sua comunidade. 

Ao final de 2020, existiam 161 Geoparques Mundiais da UNESCO em 44 países. No Brasil, o  Geoparque Araripe é o único Geoparque Mundial do país. Porém, além do Geoparque Quarta Colônia, possuímos outras três propostas classificadas como Aspirantes UNESCO, sendo o Geoparque Caçapava, o Geoparque Seridó e o Geoparque Caminhos dos Cânios do Sul.

 

Para se tornar um Geoparque oficializado pela UNESCO, a candidatura precisa passar por três fases, são elas:

  1. Projeto: primeira fase do processo. É quando o geoparque é apenas uma proposta, com pequenas iniciativas e articulações.

  2. Aspirante: segunda fase do processo. O projeto de Geoparque é enviado pelo Itamaraty (Ministério das Relações Exteriores do Brasil) para a UNESCO, a qual fica ciente da existência, das propostas e intenções daquele Projeto de Geoparque , que após esta etapa, recebe o reconhecimento de Aspirante a Geoparque.

  3. Selo Geoparque: terceira e última fase. É elaborado um dossiê de candidatura do geoparque à Unesco, onde ocorre a avaliação e é, então, realizada uma visita do avaliador da UNESCO para certificação ou não do Geoparque através do recebimento da Carta Verde ou negativa da Unesco. 

Além disso, para um Geoparque ser incluído na Rede Mundial de Geoparques, a candidatura deverá se encaixar nos seguintes requisitos:

  • Demonstrar que a área tem um património geológico de nível internacional.

  • Demonstrar que o patrimônio já é usado para promover o desenvolvimento econômico sustentável da comunidade local, principalmente através do turismo sustentável (incluindo turismo educativo).

  • Demonstrar que todos os aspectos do patrimônio da área (tanto natural como cultural) estão integrados no geoparque – já que um geoparque não se trata apenas de geologia.

 

 

Red Geolac
Rede de Geoparques da América Latina e Caribe (Red GeoLAC)

Como forma de promover a cooperação entre os membros da Rede Mundial de Geoparques (GGN), existem, hoje, diferentes Redes Regionais da organização: a Rede de Geoparques da Ásia-Pacífico (APGN), a Rede Europeia de Geoparques (EGN), a Rede de Geoparques da América Latina e Caribe (Rede GeoLAC) e a Rede de Geoparques Globais da UNESCO na África e no Mundo Árabe, entre outras. Essas organizações funcionam por meio de estatutos próprios e visam a construção coletiva de estratégias de gestão e de desenvolvimento sustentável em seus territórios.
 

Red GeoLAC foi fundada no ano de 2017 por quatro geoparques latino-americanos: o Geoparque Grutas del Palacio, do Uruguai; os Geoparques Comarca Minera Hidalgo e Mixteca Alta, localizados no México; e o Geopark Araripe, o primeiro Geoparque Mundial da UNESCO situado no Brasil. 
Como aspirante a Geoparque Mundial UNESCO, o Geoparque Quarta Colônia, com o objetivo de se integrar à Rede GeoLAC,  articula as áreas de educação, gestão, cultura e desenvolvimento ao turismo sustentável, visando novas alternativas para a economia regional.

 

Fonte: Unesco Global Geoparks Rede GeoLAC 


Revisão feita por Bianca Guimarães e Natália Huber.

Realização